domingo, dezembro 10, 2006


Emparedada

Tão desconcertante...
Tremendamente desconfortável...
Assustada.
Sentía-me emparedada.
Procurava segurar-me numa muralha que
parecia ter vida e que ía ruindo e, que me fugia.

À minha frente, outra surgia.
Mas, muito nova, muito recente.
Que por ser nova não possuía, ainda,
quaisquer sucalcos ou relevos
onde me pudesse agarrar com firmeza.
E..., eu tentava...

6 comentários:

Trolha disse...

Gostei sobretudo do estilo não tanto do conteúdo derrotista e pessimista.

luz branca disse...

Obrigada, de qualquer forma :)

Dá me música disse...

Gostei muito!a escrita é sua?

Dá me música disse...

Gostei muito!a escrita é sua?

luz branca disse...

Muito obrigada. É, sim.

Dá me música disse...

N sei se gosta de recitar as coisas que escreve, mas tenho de a aconselhar a ir ao Pucaros, às quartas feiras, às noites da poesia- um Pucaro de poesia- excelentes poetas vão lá; )